Black Friday e Thanksgiving... ''especial para brasileiros''

Temporada de férias, de compras com super ofertas, novembro é um mês bem agitado no Hemisfério Norte. Do consumismo trazido com a Black Friday à um dos três feriados mais importantes nos Estados Unidos, o Thanksgiving Day, o período que antecede ao Natal, é uma das épocas mais empolgantes da América, com tradições e culturas ricas mantidas e praticadas com grande entusiasmo por seus cidadãos, independente do credo e classe. 

Em solo brasileiro, a  Black Friday chegou com toda sua força e a cada ano torna-se cada vez mais expressiva. A primeira edição que aconteceu por aqui, foi no dia 28 de novembro de 2010 e foi totalmente online. A data reuniu mais de 50 lojas do varejo nacional.
Desde então, a moda pegou e nem é preciso esperar o final do ano se deparar com o comércio utilizando o termo para promover promoções. Como toda ''novidade'' uns falam bem outros nem tanto, mas falam!!
E para um bom entendedor, não é preciso dominar o inglês para saber que Black Friday bem traduzido para o bom e velho ''porpoluês'' é: PROMOÇÃO, ou também, DESCONTOS SUPER INCRÍVEIS!!! (ou não). Por aqui já ganhou até apelido; Black Fraude (risos). Porém, o ''Dia de Ação de Graças'', não é tão popular quanto ''Sexta-feira Negra'', embora gostamos de ''copiar'' certas ''invenções'' gringas, o Thanksgiving ainda é pouco conhecido ou mesmo um ilustre desconhecido pela grande maioria dos brasileiros.

Vamos juntos saber um poucos mais sobre esses dois ''produtos importados''.

0
Quem se lembra da Alicia Silverstone em "As Patricinhas de Beverly Hills''? Compradora compulsiva!!
A Black Friday, ou Sexta-feira Negra, é o termo usado pelo comércio varejista dos Estados Unidos para nomear o período de compras que precede ao dia de ação de graças, o Thanksgiving.
O termo já foi associado com a crise financeira que atingiu os Estados Unidos em 1869. Também passou a ser usado em 1966 por milhares de pessoas em torno do mundo, mas só se tornou popular em 1975, quando ficou conhecido por meio de artigos publicados em jornais que abordavam a loucura da cidade durante o evento.
Foi também sinônimo para descrever o período de conforto financeiro para os varejistas. No início de 1980, foi criada uma teoria que usava a cor vermelha para se referir aos valores negativos de finanças e a cor preta para indicar valores positivos. O período negativo correspondia ao período de janeiro a novembro e o lucro acontecia no dia seguinte ao Dia de Ação de Graças e permanecia até o final do ano.
Consumidores aguardam a abertura da Macy's para as compras de natal em 1948

A primeira evidência da frase sexta-feira negra aplicada para o dia seguinte ao Dia de Ação de Graças em um contexto de compras, sugere que o termo se originou na Filadélfia , onde foi usado para descrever o tráfego pesado e disruptivo de pedestres e veículos que ocorreria no dia seguinte ao Dia de Ação de Graças. Este uso data de pelo menos 1961.
Mais de vinte anos depois, à medida que a frase se tornou mais difundida, tornou-se uma explicação popular que este dia que representava o ponto do ano em que os varejistas começam a lucrar, passando assim de "no vermelho" "para" no preto ", o que para nós brasileiros seria ''no azul'' -  pois coincide com o pagamento da primeira parcela do pagamento do 13º salário dos trabalhadores do mercado formal (registrados).  
Sugiro então, que chamemos de ''Blue Friday'' ou melhor Sexta Azul, !  😉

Thanksgiving Day

O Dia de Ação de Graças está próximo! Amanhã, quinta-feira, 23 de novembro (quarta quinta-feira de novembro) -  dia anterior a ''sexta-feira negra'', como você já leu acima, a ''Black Friday'' - milhões de norte americanos se reunirão para render graças por todas as boas coisas que lhes aconteceram durante o ano de 2017.

Particularmente, considero esta a celebração a mais bonita entre todos as outras, das festividades importadas. Fiquei muito feliz em saber que aqui no Brasil, embora a palavra gratidão seja constantemente repetida nas redes sociais, essa festa não seja comemorada adequadamente (em minha humilde opinião), tampouco a maioria de nós tem conhecimento a respeito. 

De como as férias escolares se aproxima, (no hemisfério norte) e por que o presidente perdoa um peru, aqui está tudo o que você precisa saber sobre este belíssimo feriado americano.


Pintura da primeira celebração de Ação de Graças - Jean Louis Gerome Ferris

O local onde foi celebrado o primeiro Dia de Ação de Graças em solo americano, hoje abriga um museu de história, o Plymouth Plantation,  onde recria o assentamento original  da Colônia de Plymouth estabelecida no século XVII pelos colonos ingleses que mais tarde se tornaram conhecidos como peregrinos.








O registro da primeira celebração Thankanksgiving Day é datado de 1621  na cidade Plymouth,
Massachussets, onde os refugiados religiosos da Inglaterra conhecidos popularmente como os peregrinos convidaram os nativos americanos locais para uma festa de colheita depois de uma estação de crescimento particularmente bem sucedida.

As colheitas do ano anterior não foram boas e, no inverno de 1620, a metade dos peregrinos haviam morrido de fome. A tribo local de Wampanoag, ensinaram aos peregrinos sobreviventes como cultivar milho, feijão e abóbora, a pescar e coletar frutos do mar.

Há apenas dois relatos contemporâneos do Thanksgiving de 1921, e neles, o tal aclamado e saboreado peru mas não estava no menu. A festa de três dias incluiu ganso, lagosta, bacalhau e cervo.

Então, porque os americanos comem peru no Dia de Ação de Graças e porque o Presidente dá o perdão ao tal galináceo?


Existem algumas teorias a respeito do peru ser a principal refeição do Thanksgiving. Uma delas seria uma carta escrita pelo peregrino Edward Winslow datada de 11 de dezembro 1621, a um amigo na Inglaterra onde descreve a refeição compartilhada pelos peregrinos com os índios  mencionando uma caçada de perus antes do jantar.


"Our harvest being gotten in, our governor sent four men on fowling, that so we might after a special manner rejoice together after we had gathered the fruit of our labors. They four in one day killed as much fowl as, with a little help beside, served the company almost a week. At which time, among other recreations, we exercised our arms, many of the Indians coming amongst us, and among the rest their greatest king Massasoit, with some ninety men, whom for three days we entertained and feasted, and they went out and killed five deer, which they brought to the plantation and bestowed upon our governor, and upon the captain, and others. And although it be not always so plentiful as it was at this time with us, yet by the goodness of God, we are so far from want that we often wish you partakers of our plenty."  


"Nossa colheita foi recebida, o nosso governador enviou quatro homens à caçada, para que possamos, depois de uma maneira especial, nos alegrar juntos depois de termos reunido o fruto de nossos trabalhos. Eles quatro em um dia mataram tantas aves, com uma pequena ajuda, serviram a companhia quase uma semana. Nas horas livres, entre outras atividades recreativas, exercitamos as armas, muitos dos índios vindos entre nós e, entre outros, o seu maior rei Massasoit, com cerca de noventa homens, que durante três dias entretemos e festejaram, e eles saíram e mataram cinco cervos, que eles trouxeram para a plantação e entregaram a nosso governador,  ao capitão, e outros. E, embora não seja sempre tão abundante como estava neste momento conosco, ainda pela bondade de Deus, estamos tão longe de querer que muitas vezes desejamos que você participe da nossa abundância ".

Uma outra teoria diz que a escolha da peru foi inspirada pela rainha Elizabeth I, que estava jantando quando ouviu que os navios espanhóis haviam  afundado no caminho para atacar a Inglaterra.

Ela estava tão entusiasmada com a notícia que pediu que fosse servido outra ave. Alguns afirmam que os primeiros colonizadores dos EUA assaram perus inspirados nesta história.

Outros dizem que, como perus selvagens são nativos da América do Norte, eles eram uma escolha natural para colonos.


O perdão presidencial


Presidente Harry Truman com um peru, apresentado a ele pela Junta Nacional de Aves e Ovos, no Jardim da Casa Branca  em 16 de novembro de 1949. Fonte: www.whitehousehistory.org

O perdão presidencial do peru de Ação de Graças tornou-se um evento anual, mas o pacto de paz entre as aves e a Casa Branca é relativamente novo. E na verdade, alguns presidentes, provavelmente ''comem seus convidados!''

O primeiro presidente a perdoar oficiosamente um peru foi Abraham Lincoln, que instruiu a Casa Branca a salvar a ave dada ao presidente. O filho de Lincoln tinha gostado do pássaro (e o presidente era um grande amante de animais).
Horace Vose, um vendedor de aves de Rhode Island proporcionou muitos pássaros, começando pelo presidente Grant e terminando com o presidente Wilson.
No Dia de Ação de Graças de 1913, um peru enviado do Kentucky compartilhou alguns minutos de fama ao lado do peru de Rhode Islander. Em dezembro de 1963, Horace Vose morreu, terminando assim uma era.

Em 1914, a oportunidade de dar uma peru a um presidente estava aberta a todos, e os presentes de aves  eram freqüentemente acompanhados de patriotismo, partidarismo e alegria. Em 1921, um posto da Legião Americana enviou um peru numa caixa com uma bandeira o bunting para a caixa do Mississippi para Washington, enquanto o Harding Girls Club em Chicago equipou uma sua ave como um aviador, com traje completo incluindo óculos de proteção. Em 1925, a primeira-dama Grace Coolidge, aceitou uma peru de uma escoteira de Vermont.
Os presentes de peru tornaram-se estabelecidos como um símbolo nacional de bom ânimo.
Mas foi com John F. Kennedy  que começou a tendência de poupar publicamente um peru dada à Casa Branca. Ele decidiu depois de receber um em 19 de novembro de 1963, que a pobre ave deveria ficar para o jantar o jantar. O peru estava usando um cartaz onde dizia: "Bom apetite", Sr. Presidente".
JFK poupou o pássaro apenas três dias antes de ser assassinado em Dallas.

Foi o presidente George HW Bush, que tornou o indulto do peru oficial, quando assumiu o cargo em 1989. Desde então, os perus em todo os Estados Unidos se alegraram, pelo menos um dia por ano, já que os líderes pouparam um afortunado pássaro da mesa de Ação de Graças.
Uma pena os desafortunados perus não poderem viver longos anos para contarem a história, segundo

No começo deste ano, rumores circulavam que o presidente Trump havia revertido o rito do perdão ao peru do presidente Obama - a ''notícia bombástica'' causou indignação entre internautas, no entanto, era mais uma das muitas ''fakenews''. Na terça-feira (21/11), o presidente Donald Trump participará de uma cerimônia tradicional em que dois galináceos sortudos serão enviados para uma exposição especial na Virginia Tech, após receberem o perdão oficial na Casa Branca.

Comer peru é, na verdade, mais associado ao Dia de Ação de Graças do que é Natal nos Estados Unidos, com mais de 50 milhões de perus vendidos todos os anos nos EUA.
Todos os anos, no entanto, o homem mais poderosos do mundo livre tem a missão ''messiânica'' de salvar pelo menos uma ave, poupando-lhe das chamas do| forno.
A Federação Nacional de Perus (nos EUA), responsável pelas aves da cerimônia de perdão presidencial, diz que um pássaro perdoado terá sorte de viver dois anos depois de ser salvo pelo Presidente. Que peninha!

O feriado nos Estados Unidos


O dia de Ação de Graças era comemorado na quarta quinta-feira do mês de novembro, na região da Nova Inglaterra, sob a forma de festivais cristãos em agradecimento às boas colheitas realizadas no ano. Por esta razão, o Dia de Ação de Graças é comemorado no outono (do hemisfério norte), após a colheita ter sido recolhida e atualmente é comemorado na última quinta-feira de novembro.
Embora o Dia de Ação de Graças tenha raízes históricas nas tradições religiosas e culturais, tem sido celebrado durante muito tempo como um feriado secular .
O primeiro deles foi celebrado em Plymouth, Massachusetts, pelos colonos que fundaram a vila em 1620, no ano seguinte, depois de más colheitas e inverno rigoroso, os colonos tiveram uma boa colheita de milho no verão de 1621. Por ordem do governador da vila, em homenagem ao progresso desta safra em anos anteriores, a festa foi marcada no início do outono de 1621. Homens de Plymouth mataram patos e perus. Outros alimentos que faziam parte do cardápio foram peixes e milho. Cerca de noventa índios também participaram do festival. Todos comeram ao ar livre em grandes mesas.
No entanto, durante muitos anos, o Dia de Ação de Graças não foi instituído como feriado nacional, sendo observado como tal em apenas certos estados, como Nova York, Massachusetts e Virgínia. Em 1863, o então presidente dos Estados Unidos, Abraham Lincoln, declarou que a quarta quinta-feira de novembro seria o Dia Nacional de Ação de Graças.
Mas em 1939, o presidente Franklin Delano Roosevelt instituiu que este dia seria celebrado na terceira semana de novembro, a fim de ajudar o comércio, aumentando o tempo disponível para propagandas e compras antes do Natal (na época, era considerado inapropriado para produtos publicitários à venda antes do dia de Ação de Graças). Como a declaração de Roosevelt não era mandatória, 23 estados adotaram a medida instituída por Roosevelt e 22 não o fizeram, com o restante tomando ambas quintas-feiras (a terceira e a quarta semana de novembro) como Dia de Ação de Graças. O Congresso dos Estados Unidos, para resolver esse impasse, então instituiu que o Dia de Ação de Graças seria comemorado definitivamente na quinta-feira da quarta semana de novembro e que seria um feriado nacional.
Tanto nos Estados Unidos e no Canadá, Dia de Ação de Graças é geralmente um dia quando as pessoas usam seu tempo livre para estar com a família, fazendo grandes reuniões e jantares familiares. É também um dia em que muitas pessoas dedicam seu tempo para pensamentos religiosos, orações e missas. O prato principal desta celebração geralmente é o peru, o que dá ao Dia de Ação de Graças o apelido de "Dia do Peru" (Turkey Day), os cookies, tortas, o famoso macarrão com queijo e uma diversidade de assados e sobremesas também são  tradicionais pratos incluídos a mesa nessa data.
O Dia de Ação de Graças é comemorado com grandes desfiles e também, nos Estados Unidos, com a realização dos jogos de futebol. A loja de departamentos Macy's  apresenta o maior desfile de Ação de Graças desfile pelas ruas de Nova York  desde 1924, onde balões gigantes de diversos personagens são a maior atração da parada. O desfile tem uma série de atrações como bandas de fanfarra, balizas  e malabaristas além de carros alegóricos.

No Canadá

Enquanto alguns pesquisadores afirmam que "não há nenhuma narrativa convincente sobre as origens do dia de Ação de Graças canadense", a primeira ação de graças canadense é muitas vezes lembrada em 1578 pelo explorador Martin Frobisher. Frobisher, que estava tentando encontrar a Passagem do Noroeste para o Oceano Pacífico, realizou a sua festa de Ação de Graças não para a colheita, mas em agradecimento por sobreviver à longa viagem da Inglaterra através dos perigos de tempestades e icebergs. Em sua terceira e última viagem ao extremo norte, Frobisher realizou uma cerimônia formal em Frobisher Bay na ilha de Baffin (atual Nunavut) para dar graças a Deus em um serviço ministrado pelo pregador Robert Wolfall eles celebraram a Comunhão.
As origens do Dia de Ação de Graças canadense também às vezes são lembrados pelos colonos franceses que vieram para a Nova França com o explorador Samuel de Champlain, no início do século XVII, que comemorou as suas colheitas de sucesso. Os colonos franceses na área tiveram tipicamente festas no final da época de colheita e continuou durante toda a temporada de inverno, até mesmo compartilhar comida com os povos indígenas da região.
Como os colonos chegaram no Canadá a partir da Nova Inglaterra, no final do outono, celebrações de Ação de Graças se tornou comum. Novos imigrantes no país, como os irlandeses, escoceses e alemães também acrescentou suas próprias tradições para as celebrações da colheita. A maioria dos aspectos dos EUA de Ação de Graças (como o peru), foram incorporados quando houve o Império Unido Legalista, começaram a fugir dos Estados Unidos durante a Revolução Americana e se estabeleceram no Canadá.
Ação de Graças é agora um feriado estatutário na maioria das jurisdições do Canadá, com exceção das Províncias atlânticas do Canadá de Ilha do Príncipe Eduardo, Terra Nova e Labrador, Nova Brunswick e Nova Escócia. O feriado também é observado nas ilhas do Caribe.


Na Grã-Bretanha

Na ''terra da Rainha'' tem uma festa equivalente ao Dia de Ação de Graças, é o chamado  Dia da Colheita. Na verdade a comemoração inglesa é bem menos extravagante do que a americana. As celebrações neste dia geralmente incluem canção de hinos , oração e decoração de igrejas com cestas de frutas e alimentos no festival conhecido como Harvest Festival, Harvest Home, Harvest Thanksgiving ou Harvest Festival of Thanksgiving.
Nas igrejas inglesas e inglesas e caribenhas, capelas e escolas, e algumas igrejas canadenses, as pessoas trazem produtos do jardim, a parcela ou fazenda. A comida é freqüentemente distribuída entre os cidadãos pobres e idosos da comunidade local, ou costumava reunir fundos para a igreja ou para a instituição de caridade, além do carácter religioso festa resumi-se em competições de vegetais nas feiras agrícolas. 

No Brasil

Por aqui, o então presidente Gaspar Dutra, instituiu o Dia Nacional de Ação de Graças, através da lei 781, de 17 de agosto de 1949, por sugestão do embaixador Joaquim Nabuco, entusiasmado com as comemorações que vira em 1909, na Catedral de São Patrício, quando embaixador em Washington. Em 1966, a lei 5110 estabeleceu que a comemoração de Ação de Graças se daria na quarta quinta-feira de novembro. Esta data é lembrada por famílias de origem americana, por algumas denominações Cristãs Protestantes, como a Igreja Luterana IELB (de origem americana), a Igreja Presbiteriana, a Igreja Batista, a Igreja Metodista, a Igreja do Nazareno, universidades confessionais metodistas e cursos de inglês. Também celebram igrejas evangélicas como a Igreja do Evangelho Quadrangular. 

#gratidão 🙏 
Credos e crenças à parte, acredito que ser grato é um ato admirável, ser grato sempre, independente de leis, artigos, resoluções ou datas específicas é ainda mais louvável. Eu, mesmo as vezes não dando a devida atenção as pequenas coisas; mesmo sabendo que na maioria das vezes são as mais importantes, agradeço ao Eterno por estar viva, ter saúde, pelo alimento, pela água, pelo teto sobre a minha cabeça, pela roupa, caçado e claro, pela minha maquiagem, tv, Netflix, internet, meu iPhone - presentão da minha cunhada - e todos aqueles pequenos mimos que fazem parte do meu dia. 
Sou grata pela família, pelos amigos, por ter filhos perfeitos, pela liberdade. Sou grata pela vida! 
E você, pelo que é grato?





Referencia de pesquisa:
wikipedia.org/wiki/Black_Friday
www.visualthesaurus.com











Donna Pepper

Muito obrigada por sua visita, espero que tenha gostado do viu por aqui e espero ter a honra de seu retorno. Sua opinião é muito importante, conto com seu comentário. Beijinhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário